terça-feira, 22 de Outubro de 2013

Quem quer quentes e boas.....

Uma pequena amostra das nossas castanhas...o sabor é proporcional ao tamanho...estupidamente boas que infelizmente temos que "estar em guarda" pois não faltam larápios a tentarem roubar-nos estas castanhas...e não não estão junto à estrada, mas sim dentro, bem dentro, de propriedade privada!
Esta castanha não é por ser grande que é boa, nas sim é boa pelo seu sabor adocicado, macia e não esfarela ao descascar. Como também não é dificil o seu descascar, quer seja crua, cozida ou assada.
Por aqui perto é difícil ter uma castanha tão saborosa, o seu castanheiro é centenário, e todos os anos a história repete-se, sempre cheio e dá paa matar tanto vicio de castanha.
Não estou a fazer propaganda pois não é hábito nosso vender esta castanha, mas é esta a castanha que usamos para a compota de castanha :)

@photo |no Ponto Certo| all rights reserved

quinta-feira, 17 de Outubro de 2013

Lambarices da boa

Tempo das castanhas, do milho, das uvas, das nozes, do frio e das primeiras chuvas de inverno...O Outono traz muita fruta própria da época, como o Marmelo, fantástico este fruto que me lembra (mais do que outro qualquer) a minha avó a fazer a geleia de marmelo e a marmelada, e que depois sabia tão bem com queijo com o pão!
A geleia de marmelo chegou e foi apresentada na última feirinha... o seu sucesso foi tanto, pois todos falavam das suas avós e das saudades que tinham da geleia... 







@photo |no Ponto Certo| all rights reserved

segunda-feira, 23 de Setembro de 2013

Um mundo de coisas boas e doces!

Visitem...partilhem...apreciem...encomendem...provem...recomendem...mas acima de tudo comprovem que o que realmente é bom, é bom mesmo!
Página facebook




visitem Facebook

quarta-feira, 25 de Abril de 2012

Pedacinhos

Pedacinhos de tempo que vivemos com cada pessoa.
Não importa a quantidade de tempo que passamos com cada amigo, mas a qualidade do tempo que vivemos com ele...
Cinco minutos podem ter uma importância muito maior do que um dia inteiro.
Assim, há amizades que são feitas de risos e dores compartilhadas...
Outras de escola...
Outras de saídas, cinemas, diversões...
Há ainda aquelas que nascem e a gente nem sabe de quê, mas que estão presentes.
Talvez essas sejam feitas de silêncios compreendidos, ou de simpatia mútua sem explicação.
Hoje em dia, muitas amizades são feitas só de e-mails... São as famosas "amizades virtuais".
Diferentes até, mas não menos importantes.
Aprendemos a amar as pessoas sem o julgamento da aparência ou modo de ser...
Sem etiquetas ou títulos.
Amigos de verdade não precisam disso!
O tempo que passamos com os amigos de verdade não é tempo gasto...
É tempo ganho, aproveitado, vivido. "
"Amizades são feitas de pedacinhos.

segunda-feira, 26 de Setembro de 2011

 "os bailarinhos"

Bem sei que este blog anda esquecido há mais de 2 anos..
Está na altura de voltar por a máquina a funcionar..e para começar nada como também fazer divulgar uma das minhas paixões - a fotografia!
Esta foto foi tirada no Porto de Leixões em Matosinhos, enquanto esperava que a ponte móvel se abri-se ao trânsito!

http://olhares.aeiou.pt/saramsilva


quinta-feira, 11 de Junho de 2009



"Teus olhos abrem pra mim
Todos os encantos

Teus olhos abrem pra mim

Teus olhos abrem pra mim
Todos os encantos bons

Tudo que se quer vai lá

Eu vi na terra
Você chegando assim

Assim, de um jeito tão sereno

Ai, ai, meu Deus do céu
Eu vivo sem pensar

Se sou só
Acho que não vou mais

Agora tudo tanto faz,

meu bem
Eu vi você passar

Levando meu encanto
Caminho sem saber de mim
Eu vivo sem pensar

Se sou só

ou sou mar

Mas eu conto com você
Pois enquanto eu não me resolver

Eu vou lá, eu vou lá

Mas enquanto eu não me resolver

Eu vou lá, eu vou lá"

terça-feira, 3 de Março de 2009

Amigos??

"Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles. A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor. Eis que permite que o objecto dela se divida em outros afectos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade. E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!
Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências. A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. É delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não têm noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí. E me envergonho, porque essa minha prece é em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles. Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer. Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que não desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos! A gente não faz amigos, reconhece-os. "

Vinícius de Moraes

quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2009

segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2009

Ás vezes também sou assim!!!

“Às vezes é preciso aprender a perder, a ouvir e não responder, a falar sem nada dizer, a esconder o que mais queremos mostrar, a dar sem receber, sem cobrar, sem reclamar.

Às vezes, é preciso respirar fundo e esperar que o tempo nos indique o momento certo para falar e então alinhar as ideias, usar a cabeça e esquecer o coração, dizer tudo o que se tem a dizer, não ter medo de dizer não, não esquecer nenhuma ideia, nenhum pormenor, deixar tudo bem claro em cima da mesa para que não restem dúvidas e não duvidar nunca daquilo que estamos a fazer.

Às vezes, é preciso partir antes do tempo, dizer aquilo que mais se teme dizer, arrumar a casa e a cabeça, limpar a alma e prepará-la para um futuro incerto, acreditar que esse futuro é bom e afinal já está perto, apertar as mãos uma contra a outra e rezar a um Deus qualquer que nos dê força e serenidade. Pensar que o tempo está a nosso favor, que a vontade de mudar é sempre mais forte, que o destino e as circunstâncias se encarregarão de atenuar a nossa dor e de a transformar numa recordação ténue e fechada num passado sem retorno que teve o seu tempo e a sua época e que um dia também teve o seu fim.


Às vezes, mais vale desistir do que insistir, esquecer do que querer, arrumar do que cultivar, anular do que desejar. No ar ficará para sempre a dúvida se fizemos bem, mas pelo menos temos a paz de ter feito aquilo que devia ser feito, somos outra vez donos da nossa vida e tudo é outra vez mais fácil, mais simples, mais leve, melhor.


Às vezes, é preciso mudar o que parece não ter solução, deitar tudo abaixo para voltar a construir do zero, bater com a porta e apanhar o último comboio no derradeiro momento e sem olhar para trás, abrir a janela e jogar tudo borda fora, queimar cartas e fotografias, esquecer a voz e o cheiro, as mãos e a cor da pele, apagar a memória sem medo de a perder para sempre, esquecer tudo, cada momento, cada minuto, cada passo e cada palavra, cada promessa e cada desilusão, atirar com tudo para dentro de uma gaveta e deitar a chave fora, ou então pedir a alguém que guarde tudo num cofre e que a seguir esqueça o segredo.


Às vezes, é preciso saber renunciar, não aceitar, cão cooperar, não ouvir nem contemporizar, não pedir nem dar, não aceitar nem participar, sair pela porta da frente sem a fechar, pedir silêncio paz e sossego, sem dor, tristeza e sem medo de partir. E partir para outro mundo, para outro lugar, mesmo quando o que mais queremos é ficar, permanecer, construir, investir, amar.”

As crónicas da Margarida – Margarida Rebelo Pinto

segunda-feira, 26 de Janeiro de 2009

mudanças (mais uma vez)



"a minha vida tem a validade de um ano!"--é como me sinto!!

mais uma vez no ponto de partida, e mais um recomeço..e pela 5ª vez em mudanças..


quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008

bom ano!


Quando andamos BEM.. quando estamos BEM..quando andamos calados acerca da nossa vida e sorrimos para esconder o que por vezes nos faz chorar..nessas alturas não faltam pessoas à nossa volta, e """amigos""" para nos dar um abraço, perguntar por um café..não faltam pessoas..Quando estamos Bem, não falta nada..se tá tudo bem porquê que há-da faltar algo??

Quando estamos em baixo..quando precisamos de uma amigo, quando precisamos de falar, quando precisamos de um apoio..desaparece o copo e o "amigo" Não faltam silêncios, não faltam vazios, e principalmente não falta a solidão!! (irónico isto)

Se é quando precisamos de algo é no momento que nada temos, ou é nessa altura que realmente tudo falta???

Que adianta uma série de coisas, que adianta fazer festa quando ela realmente não existe e afinal são duas mãos cheias de nada..pois na festa temos numa mão um copo e noutra um amigo..e nos outros momentos apenas há uma mão de vazia e outra mão vazia!!

Nada mais há a dizer..parte de mim morreu hoje e fiquei com 2 mãos vazias!!

(o ano termina assim..)

sábado, 6 de Dezembro de 2008

Mais uma!!




The Killers-- 'A dustland fairytale'

:) bons sonhos ;) ;)
longe, sempre longe..mas muito perto, demasiado perto para sentir..